Como as startups de educação (edtechs) podem nos ajudar?

Edtech

Você quer aperfeiçoar o inglês, mas não tem dinheiro para um curso tradicional?  Seu filho precisa de um reforço escolar, mas você não tem tempo para levá-lo a um professor particular?  Ou está em busca de reciclagem profissional para crescer na carreira, mas não quer perder horas no trânsito? Todas essas situações e inúmeras outras podem ser resolvidas com a ajuda das startups de educação, ou edtechs, muitas vezes com um custo mais baixo ou até mesmo de forma gratuita.

A tecnologia veio para somar e, ainda bem, que o boom das startups chegou também à educação. Primeiro, é importante entender o que são startups. São empresas que fornecem produtos ou serviços digitais, como sites, portais, aplicativos e outras ferramentas. No caso das edtechs, ferramentas que auxiliam no processo de ensino-aprendizagem. Existem também startups que fornecem produtos reais (como, por exemplo, livros personalizados para cada aluno).  Mas, para ter acesso a eles é preciso o uso dos meios digitais.

O crescimento das startups e das edtechs

As startups estão diretamente ligadas a tecnologia e, por isso, crescem em todo o mundo. No Brasil, já existem cerca de 400 edtechs, de acordo com um levantamento da Associação Brasileira de Startups (ABStartup). A expectativa de crescimento e do surgimento de novas soluções digitais é grande, já que o investimento em educação colabora (e muito) para o avanço de qualquer sociedade.

Top 10 das startups - por setor de atuação
Top 10 das startups – por setor de atuação

O uso de tecnologia em educação traz novas perspectivas, especialmente para os alunos mais jovens, que convivem tranquilamente no mundo digital. Porém, é importante ressaltar que a tecnologia não substitui o contato humano e deve ser aproveitada de forma responsável pelos pais, professores e também no ambiente escolar. Uma ferramenta digital não representa necessariamente a solução de um problema, só é mais um meio de chegar lá.

As instituições de ensino, por exemplo, devem ficar atentas se a proposta da edtech está adequada à linha pedagógica adotada. Já um pai ou uma mãe pode aproveitar uma startup de educação para trazer novidades e estimular o estudos dos filhos.  Obviamente, não deve esquecer de acompanhar de perto tudo o que está sendo realizado. E se você já é um profissional no mercado ou está em busca de oportunidades, aproveite as startups de educação para aprender sempre mais. Pesquise bastante e, se tiver uma boa ideia, crie uma edtech! Investir em educação nunca é demais!

Por Janaína Rodrigues

2 comentários em “Como as startups de educação (edtechs) podem nos ajudar?”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *